domingo, 21 de fevereiro de 2016

livre

Viver em liberdade é desejo de todo ser humano.
Sempre foi meu desejo, ainda que sem clareza.
Começo a entender o que é isso e como é isso agora, depois de passar 15 dias num vedanta camp onde ninguém tinha a obrigação de agradar a ninguém, cada um era responsável pela própria escolha e precisava assumi-la.
Não precisava sorrir toda hora pra cada pessoa que cruzasse meu caminho, não precisava ser gentil ou agradável, não precisava me justificar, podia ser quem eu sou.
E todas as outras 70 pessoas também podiam.
Caos?
Não,
Viver livre fez com que eu não sentisse a obrigação de ser gentil, mas sentisse um desejo de ser gentil.
Poder passar pelos processos emocionais sem disfarce e sem que ninguém tentasse impedi-los foi incrível!
E receber acolhimento toda vez que procurei, foi maravilhoso.

Foi necessário experimentar viver livre para saber quem eu sou e não quem esperam que eu seja.
Aprendi na pele, nos ossos, no sangue, que liberdade é condição fundamental para viver entre seres humanos.
Viver livre é condição necessária para viver o Amor.





só essa foto fui eu que tirei, todas as outras são de outros alunos. Obrigada a todos.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

ter nascido

Inquieta, minha mente está sempre a se ocupar com alguma questão.
Pensava sobre o que somos nós, seres humanos.
Bem especificamente o que é próprio de seres humanos única e exclusivamente.
O que é que todos nós temos e só nós temos.
Inteligência?
não parece ser comum a todos e muito menos ser exclusiva.
Bondade e outros valores humanos?
com certeza não.
Senso de comunidade, sociedade?
não.
Capacidade de comunicação, linguagem?
não.
Sentimentos e emoções?
absolutamente, não.
Memória?
não.
Alma?
hum.... difícil.... mas, não.
Porque podemos reconhecer essas coisas em outras espécies e porque podemos reconhecer um ser humano mesmo que ele esteja sem condições de pensar, sentir, falar, andar, comer, lembrar.
Então, o que é que nos faz humanos afinal?
Só o Ot pra me dizer algo tão óbvio:
ter nascido de um outro ser humano.
queridas do meu coração


sexta-feira, 4 de setembro de 2015

um novo jardim

Porque jardins são bem-vindos sempre e precisamos deles para recolorir o belo dentro do peito que dói.
Essa casa tem um daqueles espaços destinados a um jardim de inverno.
Não sei por que tem esse nome, mas preferimos criar um jardim nada inverno nele.
Levamos um bom tempo imaginando e conversando sobre o que fazer, mais um tanto inventando como fazer e por fim, pondo a mão na massa.
Construir um jardim era nosso plano desde que nos mudamos, mas, naquela época, só seguimos a ideia já existente: vasos.
O que foi ótimo, porque hoje temos muito mais conhecimento para montar um jardim no meio do corredor.
Para preservar o piso, usamos um tipo de lona própria para montar lagoas, prendemos com madeira e finalizamos com silicone. Fica melhor no plural, mas quem fez mesmo foi ele. ;)


Dá pra ver que a saída de água foi preservada sem que escorra pelo piso
Na sequência: argila expandida, manta, areia, terra e terra vegetal.



Imprescindível ter um sistema de armazenamento da água da chuva para garantir a rega do jardim, por isso um tambor de 250l na saída da calha.

Devidamente tampado para evitar reprodução de mosquitos 
Foram muuuuitos sacos de terra

 Plantar e decorar: plantas, pedras, buda.
porque junto é muito mais legal

O buda precisava de energia elétrica pra circular a água. Então, instalação elétrica:
 

E a hirrigação constante:



Tudo feito como um bom tempero: funciona sem roubar a cena.





Agora é aproveitar e ver tudo crescer. Inclusive nossa sensibilidade.
Que o belo nos ajude a ser gente.


terça-feira, 23 de junho de 2015

quantas vidas

Quantas vidas poderemos viver nessa vida?
Eu fui professora de matemática escolar.
Fui porque quis de todo o coração, com todos os sentidos.
E adorei.
Fui o melhor que soube, que pude. Para algumas pessoas fui pouco, eu sei. Sinto muito.
E tudo isso foi em outra vida.
Hoje, sou outra. Porque tudo se esgota e transforma.
Hoje, começo outra vida porque o coração pulsa e transborda amor.
Hoje, só sou gente.

Respirar

Inspirar....
Expirar....

Yoga!

Namastè

quinta-feira, 11 de junho de 2015

tudo se aprende

Durante 2013 me aventurei no crochet.
Aprendi com umas senhorinhas lindas e gentis, muito gentis, que tentaram me ensinar o ponto básico sem falar o mesmo idioma.
aiai.... coisa linda!








muito útil algumas vezes!


tudebom

Bom ver ver tudo assim junto!











lavanda! sempre recheio de lavanda!



invenções