quinta-feira, 28 de agosto de 2014

morte e vida

Hoje, eu ouvi "não, eu já não não quero aprender mais nada".
Para mim, soa como sentença de morte, desistência de viver.
Como deixar de aprender quando se está vivendo?
A Vida flui...
Depois, a morte veio me lembrar que essa vida é circunstancial, começa e termina num piscar de olhos.
Mesmo assim, isso me surpreende, me sacode.
Lembro que a Morte não existe, assim como o Tempo, que servem apenas a esse tipo de consciência.
Mas toda vez que me deparo com a morte, ainda me pergunto qual é o sentido da vida.
Para que fazer coisas? Qual o sentido de estar aqui? O que faz isso tudo valer a pena?
E hoje eu entendi que sempre fiz a pergunta ao contrário.
Não é a vida que precisa de sentido, Ela É o sentido das coisas!
As coisas e as ações ganham sentido porque são expressão de Vida.
Porque, através de mim, a Vida se expressa!
E são expressões únicas!
O que faz tudo valer a pena é a expressão Única que acontece porque eu existo agora, porque ele existe no mesmo instante, porque ela existe, porque nós e porque cada um existe e está aqui agora.