quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Como Fazer Pão

Ontem, tentei, pela primeira vez, fazer pão "sozinha".
Ot ficou do meu lado me dizendo exatamente o que fazer e quando, mas fui eu quem fez dessa vez.
Pão de azeite para acompanhar uma delícia de salada no jantar.
Optamos, cada vez mais, por sermos mais produtores que consumidores.
Aqui em casa, o padeiro oficial é ele. Pães de sourdough.

sourdough bread, our favorite
 

O melhor de produzir nosso alimento é a infindável possibilidade de criação.
Centeio, linhaça, aveia, integral sempre, cranberries, nozes, amêndoas, coco, fubá, cenoura, beterraba, batata, batata doce, tudo pode ser combinado!
Ontem, colocamos meio cup de farinha branca e farinha de linhaça, aveia, centeio e farinha integral até completar um cup. Meio cup entre água morna e azeite, fermento normal, um ovo e temperos moídos... sal marinho, fenogrego, coentro, cúrcuma, gengibre.
É importante não ser ansiosa demais e colocar tudo o que tem no armário, exageros não são bem-vindos.
Mas coragem para experimentar e confiança na intuição são ingredientes indispensáveis.
As receitas são excelentes pontos de partida e nos oferecem o conhecimento básico da química necessária para produzir pão ou bolo, waffle ou torta, pasta ou pizza.
Mas são apenas isso, pontos de partida, porque o resultado final sempre tem "a cara" de quem faz.
Sempre imprimimos nossa substância no que fazemos.
Quem faz Tildas sabe que cada boneca fica com o jeito de quem a produziu, mesmo que todo mundo tenha seguido a mesma "receita", usado o mesmo molde.
Podemos, no Brasil, pedir "pão francês" em qualquer padaria e vamos reconhecê-los como pães franceses. Mas em cada padaria o pão francês tem gosto e textura diferentes.
Parece-me que isso é verdadeiro para qualquer coisa que façamos, tudo fica impregnado de nós.
E como isso é bom!
Que delícia poder ver, tocar, experenciar o outro por meio de suas criações.
Como é lindo de (vi)ver diversidade!
Que bom reconhecer em cada ser uma potência criadora, apreciar e valorá-lo.
Dharma comum a todo ser humano: produzir cultura.



Nenhum comentário:

Postar um comentário